quinta-feira, 26 de agosto de 2010

GILSON MAIA - FEBRE DE AMOR

Eu quero amar-te, ó musa, pois eu creio
que uma paixão invade a minha mente,
porém para seguir-te, sou prudente
e até do puro amor tenho receio.

Eu quero ser do amor o nobre esteio,
abraçar-te feliz, alegremente,
e, nesse louco abraço, docemente,
espraiar-me, febril, sobre os teus seios.



Eu quero o sonho, mesmo de um momento.
Quero o calor que aqueça o grande inverno
de minha vida cheia de tormento



neste mundo enfadonho, irmão do inferno.
Eu quero a boca, amor, estou sedento,
que me conceda, um dia, um beijo eterno.

Gilson Faustino Maia
Petrópolis/RJ

2 comentários:

Mgomes - Santa Cruz disse...

Ola Maria: Lindo este post Gilsom Maria, sabe o que escreveu a febre do amor como é tão bom amar e ser amado.
Beijinhos
Santa Cruz

Canto de Poesias disse...

Muito bom o seu blog amiga!
Te convido para o meu grupo:
http://encontrodepoetaseamigos.ning.com/
Bjos