quarta-feira, 12 de maio de 2010

ADEMAR MACEDO - DIVAGAÇÕES EM CORDEL 1


Quem carrega, como nós
o vírus da poesia,
tem no sangue uma plaqueta
que se altera todo dia,
aumentando a quantidade
e pondo mais qualidade
nos versos que a gente cria.



No meu verso, dia a dia
eu busco a minha obra-prima;
sei que é difícil encontrá-la,
mas nada me desestima,
e quando a inspiração brota
no meu verso já se nota
metrificação e rima.



Nunca fiz uma obra-prima
nesse campo que trafego,
sem um pingo de ambição
grande desejo eu carrego;
sei que não é utopia,
neste mundo de poesia...
quero ser grande, não nego!

Ademar Macedo
Natal/RN

3 comentários:

Chica disse...

Muito lindo e adorei a imagem escolhida!beijos,chica e um lindo dia!

Cacá disse...

Para mim já está no Olimpo dos grandes. Que coisa linda, meu amigo! Abraço grande. Paz e bem.

Eduardo Medeiros disse...

Muito bom ver um cordel de um autor do Rio Grande do Norte, terra de minha mãe, onde tenho vários tios e tias.

E pela leitura de apenas esse cordel, já se pode ver que você ja produz "obras-primas".

Mas o artista sempre busca a Sua Obra. A Prima!!

Parabéns pela postagem, Maria.