domingo, 23 de maio de 2010

ADEMAR MACEDO - DIVAGAÇÕES EM CORDEL 2

Não sou grande mas me apego
aos versos que eu mesmo faço,
seja para um grande público
ou sozinho em meu terraço;
seja noite ou seja dia,
pois, para fazer poesia
jamais eu sinto cansaço.



O caminho que hoje eu traço
no qual me tornei atleta,
foi Deus que determinou
a poesia como meta;
agradeço ao onipotente,
pois só depois do acidente
eu me descobri poeta!



Eu que já nasci poeta,
nas asas do verso eu vou
no sertão buscar saudade
pois foi lá que ela ficou;
nesta saudade eu mergulho,
sentindo um enorme orgulho
do sertanejo que sou.

Ademar Macedo
Natal\RN

3 comentários:

Chica disse...

Linda poesia e esse orgulho de se sertanejo! beijos,chica e uma lindA SEMANA!

Eduardo Medeiros disse...

Maria, Belo poema.

Você fez um comentário que eu concordei plenamente lá no olharotempo sobre a Mãe Dinah. Nossos pensamentos criam realidades.

Se quiser, leia um texto que eu escrevi sobre o tema no link abaixo:

http://saladopensamento.blogspot.com/2010/05/o-poder-dos-nossos-pensamentos.html

Boa semana, beijos

Ivana Marisa Altafin disse...

É bom sentir saudade, sem ela a inspiração custa a chegar. Eu também teria muito orgulho se fosse da sua terra, pois é de uma beleza fenomenal.Um abraço!