quarta-feira, 26 de maio de 2010

SOU PREGUIÇOSA!

Abri os olhos
Olhei a vida...
Estava cinza.
Bem verdade que Cinza claro...
Mas cinza!
Me aconcheguei nas cobertas,
decidi não levantar...Muito cedo...
Uma voz me dizia:
como não levantar!?...
Sai já daí...Cai na vida!
Me fiz  de surda...
A voz insistia: levanta!...Levanta!...
E, eu pensava...Prá que?...
Se nem a vida quer aparecer...
Olha só...Isso é dia?...
Tudo cinza...Frio...Silêncio.
Ah!...Daqui não saio não...
E me voltei toda preguiçosa, 
me entregando nos braços do edredon.
Quando acordei... Que susto!!!
A vida só prá me contrariar,
tinha mudado de roupa...
Estava ainda fria,
mas  linda, brilhante, colorida...
Até um sol morninho já tinha chegado.
Através das frestinhas da renda da cortina,
ele sorria cheio de chamego  para mim.
Olhei o relógio...
Em desespero pulei da cama...
Maldita preguiça...
Novamente atrasada!


Maria Emília Xavier

5 comentários:

Chica disse...

E essa preguiça é normal com o frio da vida,rsr LINDA!beijos,chica

Ivana Marisa Altafin disse...

A vida mudou de cor, ficou colorida, ficou linda todinha para você, porque ela quer ver você de pé. XÔ preguiça!!!rs
Bjs

gorettiguerreira disse...

Olá amiga!
Poesia linda com um fundo musical belíssimo!
Bela preguiçosa, parabéns por mais um poema saudoso e que dói gostoso.
Bjs Goretti

Eduardo Medeiros disse...

Quiz ler teu poema tanto literalmente quanto metaforicamente. Quem nunca ficou preguiçoso olhando a chuva e o frio pela janela?

E quem nunca quedou-se inerte pensando que o cinza e o frio seria o normal da vida?

Mas não, só quem não percebe o que está além do cinza é que se entrega ao cinza, pois não vê a realidade colorida que está além da sua visão preguiçosa.

beijos

JoeFather disse...

Nunca tive preguiça, somente falta de vontade! :)

Abraços renovados!