segunda-feira, 26 de julho de 2010

ADEMAR MACEDO - MINHA SANTANA DO MATOS

Uma estrela com luz incandescente
ao nascer de Deus pai eu recebi,
foi por isso que eu nunca me esqueci
da infância que guardei na minha mente;
recordá-la, eu recordo tão contente
de uma infância tão pura boa e mansa,
e remexendo os cascalhos da lembrança
eu encontrei uma mina de saudade;
cada pedra que calça esta cidade
tem um rastro que fiz quando criança.

Ademar Macedo
Natal/RN

3 comentários:

Eduardo Medeiros disse...

Maria, ñão sei porquê essa foto para mim é tão nostálgica (no bom sentido). Poema lindo. Recordar os bons momentos para mim também é fundamental.

beijos

Cacá disse...

O nosso torrão natal, para quem viveu intensamente no passado, quando se podia contemplar, quando se tinha tempo para o sol, a lua e as estrelas, a lembrança e a saudade são inveitáveis, Abraço grande. Paz e bem.

Gilson Faustino Maia disse...

Como é bom, Maria Emília, falar do passado, da terra natal, dos tempos de criança...O poeta Ademar, então, é mestre em passar para nós, seus admiradores, trovas e poesias falando do Nordeste, sua beleza e sua gente. É de uma alma completamente voltada para a cultura. Tomara que Santana do Matos saiba dar valor ao filho que tem. Meu abraço.