sexta-feira, 16 de julho de 2010

GILSON MAIA - MADRUGADA

Naquela inesquecível madrugada,
quando o amor era rima principal
de um poema envolvente, sensual,
escrito a dois na sala envidraçada,

a lua espionava enciumada,
a cena de um fascínio sem igual.
Não era apenas um amor carnal,
também de uma ternura inusitada.

As rendas cor da paz daquela blusa
as minhas mãos tentavam afastar
dos frutos da paixão que a minha musa

queria, a contra gosto, resguardar.
E eu via em seu olhar, não a recusa,
mas um desejo enorme de se dar.



Gilson Faustino Maia
Petrópolis/RJ

7 comentários:

Anne Lieri disse...

Que soneto apaixonado e tão bonito!Adoro viajar por suas páginas!Bjs,

gorettiguerreira disse...

Oi minha querida!
Lindo poema apaixonante e real na vida de dois amantes.
Bjs de liz.
Goretti

maria olimpia alves de melo disse...

O poema do Gilson é muito bonito e a escolha que vc fez da foto deu uma clima perfeito para se tomar conhecimento dessa história de amor.

Santa Cruz disse...

Maria; Que esse teu lindo Nome seja recorda por toda a eternidade, eu jamais te esquecerei, Maria Nome de Virgem Maria Mãe de Jesus e nome da minha querida mãe que Deus já levou para Junto Dele. Linda Poesia Parabens para ti pela linda escolha e ao autor também

Eduardo Medeiros disse...

Oi Maria, tudo bem?

Muito bonito o poema. Aliás, dizer isso já virou lugar-comum, já que o teu blog é um lugar onde sempre podemos ler belos poemas.

Bom restinho de domingo e um abração

Maria Emilia Xavier disse...

Gilson, falar de um Poeta nunca é fácil. Principalmente um Poeta com a inspiração maiúscula que Deus te deu. "MADRUGADA" ficou lindo, sensual, delicado e apaixonante. Obrigada amigo por vir por aqui e nos permitir conhecer o seu Dom.

Gilson Faustino Maia disse...

Maria Emília, agradeço de coração o seu carinho e aos amigos leitores os comentários sobre o meu soneto publicado. Que Deus abençoe a todos. Meu carinhoso abraço.