domingo, 18 de julho de 2010

SEM MINHA METADE...









Não tenho vontade,
perco a objetividade,
fico sem sincronicidade.
Na humanidade?...
Não encontro sinceridade.
É como andar pela Cidade,
sem conhecer a liberdade.
É como receber uma penalidade,
sem ter feito qualquer maldade.
É ver toda a  bondade,
antes cheia de piedade,
não ser mais a minha verdade...

Ah...Sem minha metade,
fico sem idade,
sem luminosidade,
entregue a esta doída saudade.
Maria
Emília
Xavier

9 comentários:

Santa Cruz disse...

Olá Maria: A nossa metade sempre faz falta eu costume dizer sem ti não sou nada gostei,
Um beijo
Santa Cruz

maria neusa disse...

Maria Emília: conheço vc do blog da maria olímpia.Gostei de seus versos,gostei do nome do seu blog,gostei de vc.Voltarei.Beijos amigos.

Cacá disse...

A saudade faz a gente ver só as metades das coisas, senti-las pelas metades, desejá-las pelas metades. Ficou lindo. Abraços. Paz e bem.

Mel Redi disse...

Querida Maria Emília, este poema está simplesmente LINNNNDO! Bj da Mel

Anne Lieri disse...

Mas continua a escrever lindamente!Uma maravilhosa poesia,Emilia!Bjs,

Tania regina Contreiras disse...

Ser meia, ser parte, ser pedaço...dá saudade sim!
Beijos, Emília

Ana Martins disse...

Que bonito,
sem a nossa metade sentimo-nos incompletos!

Beijinhos,
Ana Martins
Ave Sem Asas

Ivana disse...

Olá,

O que nos deixa "felizes" é saber que mesmo sem sua metade, continua fazendo lindos versos. Bjs

Gilson Faustino Maia disse...

Interessantes, Maria Emília, os seus versos. Você procurando a sua metade...E eu, aqui, achando você tão completa! Parabéns por todo o seu lindo e dedicado trabalho.