domingo, 12 de junho de 2011

O   "De olhos fechados",  hoje 12/06, homenageia   o  AMOR , desejando que todos possam conhecê-lo do jeito que acontecer, como acontecer... com quem acontecer... e... quando acontecer.







GILSON FAUSTINO MAIA -  TEMPO DE TRISTEZA
                                                                 RAIN PRINCESS 2 LEONID AFREMOV         
O frio gela o peito do poeta,
congela a poesia em seu viver.
Concorre para a vida acontecer,
bem longe do sabor de sua meta.

Buscara o amor da forma mais correta,
como se um prêmio fosse merecer.
Nem viu quando chegou o anoitecer,
o tempo em que a tristeza se projeta.

 
Num murmúrio suplica apaixonado:
-Volte, amor, aqueça-me a costela!
- Venha ler meu soneto, meu recado!

E o vento sopra frio na janela,
zombando do poeta abandonado,
Que chora no soneto a ausência dela.
                                                    Gilson Faustino Maia
                                                                              Petrópolis/RJ
PAULO ADÃO - CRONOLOGIA DE UMA PAIXÃO
                                                                                   Passion- Leonid Afremov
Prólogo:
Corações vazios sem paixão
são fúteis, leves
travesseiros de penas
nada mais
Do contrário não, porque o amor não é leve, frugal
pesa feito chumbo no peito
o corpo o arrasta como corrente
atada ao pé de um condenado
Mas não é mau
estorvo
incomoda
por bem

horas antes:

Dois corações vazios se atraem
não é lei física. É emocional
também fecundam-se
procriação sentimental

O feto da paixão se avoluma
a cada compasso do coração
a gestação dos grávidos é aflita
Sintomas da realidade prenhe:
aos encontros e pensamentos
narinas expirando fortes suspiros
olhos faiscando centelhas de ansiedade e ternura

o parto:

A paixão foi súbida
a parição deu-se num beijo
comemoraram. Dançaram
suaram muito
O amor chegou inconfesso
mas não veio parvo
surgiu de tal maneira grande
que tomou todo o espaço à volta
fez seu templo ali
O lugar era parco
o amor incontido
por isso saíram para o tempo
único lugar cabível
minutos depois:

Passaram inenarráveis
aos olhares de brilho mágico
à troca de energias
grandes descargas pelas mãos e lábios

Tal era o clarão das auras
que quem está nessa dimensão
vizinha dos que não amam
pode vê-los cintilar todo o éter
primeiras palavras:
inoportunas, inúteis, injustificáveis e doces
a paixão devora as palavras como sanduiches
o silêncio é mais eloquente

confissão:

Ridícula como são os amantes
embaraçosa, mas emocionante
Paixão inconfessada fica pagã
vaga pelo limbo dos amores perdidos
encontros:

Clandestinos, todos!
 paixão era proibida e virou mércia
ficou madura demais
para a virgindade que tivessem
neste ato o amor penetrou por todos os orifícios
Apenas as paredes escutaram
os sussurros dos coitos galopantes
e os espelhos viram
a nudez linda dos corpos

Epílogo:

Já está no fim a história
mas o amor não cessa
uma vez a luz (deles) clareou o firmamento
mais claro que a aurora e viram o eterno

Então souberam
que o eterno
é a medida da intensidade
do seu amor
                                                       Paulo Adão

Aproveito o dia dos namorados e deixo uma poesia de PAULO ADÃO - 1959/2011 - MEU AMADO IRMÃO, POETA, no descanso eterno.
                                                 José Cláudio Adão - CACÁ
ADEMAR MACEDO - MINHA ESTRELA DALVA...

Quando a vi senti logo uma paixão,
e ela me olhando enternecida
se apossou do meu velho coração
e hoje é a razão da minha vida.
é a única inquilina do meu peito
afastá-la de mim não tem mais jeito;
pois só quero viver se for com ela.
e é Dalva, minha eterna namorada
que faz de mim quase toda madrugada,
um brinquedo de amor no colo dela.
Ademar Macedo

Natal/RN

     JORGE ROBERTO SOARES - PARA SEMPRE ENAMORADOS 


     
Longos anos se passaram Na vida de nos dois
Que sempre estivemos de mãos dadas
Nas alegrias e nas tristezas
Que a vida nos fez passar
Quantos anos de cumplicidade
De declarações de amor
Contigo eu fui feliz
Contigo feliz estou
Nesta vida de tantos momentos
Que vivemos nosso amor


O tempo que tudo transforma
Também ágil sobre nos
Envelhecendo nossos corpos
Em anos de mutação
Só não conseguiu atingir
Nosso amor de coração


Estamos sempre enamorados
Nos alimentamos deste amor
Embora velhos e cansados
Mantivemos a magia
De estarmos enamorados
E nunca deixamos passar
Sem juntos comemorarmos
O dia dos namorados




- Esta   rosa  é  pra  ti  minha  querida  e  todas  as mulheres apaixonadas
- Estas luvas são pra ti meu querido, pra proteger estas mãos abençoadas que durante todos estes anos me fez sentir amada.                                           
                                                                 Jorge Soares
                                                                       Além Paraíba/MG


WILSON RAMOS  -  DOIS...

….corações que batem em sintonia,
pulsando forte, repletos de magia,
do melhor lado que o amor oferece ….

….olhares que brilham ao se cruzar,
lembrando a luz de um suave luar,
e das estrelas que chegam quando anoitece ….


….suspiros que já trazem saudade,
ao acordarem, outra realidade,
chega a hora de se separar ….

...abraços e um beijo molhado,
de um encontro pra sempre marcado,
e um amor que chegou pra ficar....
                                                                  WRamoss
                                                                 Belo Horizonte/MG
PAULO MEDEIROS - ENSAIO SOBRE O AMOR
Chego à escola exatamente na hora marcada. Bato à porta e de cara a vejo de costas. Baixinha, cintura de cavaquinho e cabelos negros pelo meio das costas está ali inquieta remexendo um arcaico fichário de alunos. Ela vira preguiçosamente e seus cabelos sedosos acompanham o movimento do corpo numa dança sensual como um tango argentino. Meu corpo perfumado de Avon é invadido poro a poro por um francês arrebatador que até hoje não consigo pronunciar seu nome.


Ela olha em minha direção e percebo o baile articulado de seus lábios. As mãos – como a de um maestro - sobem e descem. Tremo, o coração entra em descompasso e confrange. Espectros se formam diante de meus olhos subitamente cegos. O relógio na parede branco gelo com a logo marca da Computec simplesmente congelou, deu branco. Ó meu Deus! Ela é muda. Eu mudo. É o fim do mundo.

Ricardo – o dono da escola – chega num silêncio lento e de longe sem perceber a minha presença faz um gesto para ela com o polegar direito. Ela olha pra mim e devolve para ele o gesto com o polegar esquerdo.


Ricardo desce as escadas saltitando, atravessa a sala de espera a trotes largos e entra na recepção com os braços vestidos e armados para um forte abraço. Nossos olhares se encontram e percebo descaradamente a articulação de seus lábios. Ó meu Deus! Ele está mudo também. Eu juro. É o fim do mundo.


Começa então uma correria, ele me abana, ela traz um copo com água e açúcar. Sento no sofá preto de couro, mas não me sinto... Estava surdo de amor. Aqueles dezenove segundos duraram dezenove anos.
                              Paulo Medeiros
                                                           Manaus/AM

     Quando a vida diz... NÃO!

 Não foi o verso...
Não foi a imagem...
Não foi nada...
Foi ele... o destino,
que usando os caminhos da vida,
teceu esse lindo encontro:
o Vate e a aprendiz.
Pelas beiradas das folhas,
eles dão e recebem o carinho
que a vida de cada um,
já em total completude,
nega -lhes...
Obedecendo ao seu siso
ele equilibra o cio dela,
que no seu mundo,  sozinha, 
junta os pedaços
 de amores antigos
e transforma em versos,
inda canhestros e pobres,
a história que, com ele,
gostaria de viver... 
                                       Maria Emilia Xavier

           



10 comentários:

Andre Mansim disse...

Dessa vez você arrazou!!!!! Nos brindou com essas pérolas! Parabens!

Elisabete Lira disse...

Seu blog é muito interessante...
Estou te seguindo.... Tenha um Lindo Dia!
Siga meus Blogs: http://cartasdeumcoracao.blogspot.com/
E http://deusemminhaalma.blogspot.com/

Leonel disse...

Um festival de poesias para homenagear aos namorados e enamorados!
Uma feliz ideia!
Abraços!

vitorchuvashortstories disse...

Olá, Emília!

Obrigado pela visita e comentário no meu blog.Claro que é bem vinda, terei muito gosto em vê-la por lá.
Hoje, aqui por estes lados, o repasto é rico e está lindamente servido, a propósito do dia dos namorados.

Beijinhos; prometo que volto.
Vitor

Gilson Faustino Maia disse...

Um show, Maria Emília! Parabéns a você e parabéns aos companheiros dessa estrada poética, por onde se caminha "de olhos fechados" pois sabemos que estamos no rumo certo e sob a sua orientação. Muito obrigado pela oportunidade de participar da caminhada. Meu abraço a todos.

ॐ Shirley ॐ disse...

Querida Maria Emília, quanto AMOR nesse espaço. É tudo tão lindo! Ah! Agradeço o carinho de sempre. Um abraço de luz para começar a semana!

Fernanda disse...

Muito fértil em poesias belas este seu Blog.
Que todos os namorados tenham esta felicidade todos os dias, porque um dia só é pouco.

Gostei de a conhecer, Emilia.

Beijinho

Eduardo Medeiros disse...

oi maria, cheguei um pouco atrasado mas cheguei!!!! maravilhoso esta postagem, uma verdadeira "omelete" poética rss que eu adorei degustar.

beijos

Ricardo Calmon disse...

A MESTRA, COM CARINHO

CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP..........,MARIA EMÍLIA,AMIGA QUERIDA, PARA "SENTIR E PERCEBER E EXPRESSAR COMO SOPRO SUSSURRO", EM COMENTÁRIO FORMA, PRODUÇÃO COM A SIMPLICIDADE E TERNURA ABISSAL, QUE PARI,COMPETENCIA E SENSIBILIDADE POSSUES, EM FINA SINTONIA,COM A DE VIVER ARTE, POIS PERCEBA...AQUI POUSEI PARA TE DIZER DA EMOÇÃO MINHA DE LÁ ,TE LIDO TER, E AQUI...ENCONTRO UMA GIGANTESCA CACHOEIRA DE POEMAS E AMORES, ME REFRESCANDO A ALMA, ME TORNANDO MELHOR PESSOA,E ME ELEVANDO CADA VEZ MAIS,COMO NEÓFITO TUO!
BZU MÃOS SUAS,MESTRA!
psSEMPRE EM VOCE PENSO,POIS FILHA MINHA,PEDAGOGA E EM MESTRADO NA PUC, PELA PRIMEIRA VEZ,APÓS ANOS NO ENSINO PRIVADO,AQUI ESTÁ NO BRIZOLÃO DE IPANEMA, SOB ÓTICA E EMOÇÃO FORTE,EMBORA OUTRA,DA EDUCAÇÃO,DA CIDADANIA E DA REAL VIDA,NO CORAÇÃO DE IPANEMA,DOS HABITANTES DO PAVÃO,PAVÃOZINHO E CANTAGALO!

BZU NA ALMA,EDUCADORA!
VIVA A VIDA!

Maria Emilia Xavier disse...

Aos Poetas e Escritores que embelezam dioturnamente o "De olhos fechados" com suas criativas inspirações, eu, novamente, os aplaudo de pé...Sem vocês seria impossível a caminhada - são vocês o "De olhos fechados". Aos amigos que nos premiaram com a sua presença, nosso agradecimento do fundo do coração.
Maria Emilia