terça-feira, 14 de setembro de 2010

A SOLIDÃO DA ESTRELA...

O céu azul escuro...
Como, se palco fosse,
mostra um espetáculo belo:
uma estrela solitária,
que nessa imensidão qual luminária,
 brilha, brilha, brilha, 
 faíscas, muitas faíscas solta
e o céu enfeita de prateado...
Fico pensando...
Esse espetáculo lindíssimo,
não será  a estrela sua solidão chorando?
O brilho... As faíscas...
Olhos marejados de água...
Lágrimas que escorrem...
                                         
                                                    Maria Emilia Xavier

6 comentários:

Jorge Manuel Brasil Mesquita disse...

Todo o universo chora por nós. Nós é que desconhecemos como e quando lhes ver as suas lágrimas. Belo poema.
Jorge Manuel Brasil Mesquita
Lisboa, 14/09/2010

Chica disse...

Maravilha!!!Sempre encantadores teus poemas!beijos e adorei teu comentário.Passamos de tudo com os filhos, surpresas sempre...Não deixam a rotina se instalas,rsrs...beijos,chica

gorettiguerreira disse...

Amiga você se supera a cada verso teu.

Maravilhoso poema.
Bjs de luz.
Goretti

gorettiguerreira disse...

Amiga você se supera a cada verso teu.

Maravilhoso poema.
Bjs de luz.
Goretti

Renata Fagundes disse...

Obrigada pelo comentário no Cítrico Maria Emília

não sou tão poderosa assim, porque esse tipo de pessoa nos fazem perder a fé no ser humano, no significado de princípios.

Já pessoas como vc, nos fazem embelezar uma folha de papel em branco.

Muito obrigada

beijos cintilantes

Mel Redi disse...

Belíssimo poema! Vc brilha em tudo que faz querida Xará! DEUS a abençoe semmmmpre! Bj da Mel