domingo, 20 de março de 2011

DESPIDA...

Sem pudor me dispo
de todo e qualquer sentimento.
Retiro todas as máscaras
que por essa vida usei:
por querer ou por imposição.
Rasgo todos os scripts que desempenhei:
aqueles que quis e os que nem sei que fiz.
Afasto os véus que vez ou outra
por entre eles me esgueirava...
Analiso momento a momento,
alegria a alegria,
dor a dor..
Constato então,
 que máscaras, scripts, véus...
 artifícios que  usei  pela vida afora,
foram, na realidade,
tentativas de não ser alcançada
pelo menear da vida
e seus possíveis sofrimentos,
 tentando, sempre,
na felicidade esbarrar. 

Maria Emília Xavier

7 comentários:

Nuvembranca disse...

Bárbaro! A imagem é belíssima. Parabéns Maria.

Leonel disse...

Belos e verdadeiros versos, Maria Emília!
Sinto que o meu MEME só tenha revelado meus hábitos de leitura, aliás nem todos.
Assim, fica um pouco de mistério, para aguçar a sua curiosidade.
De qualquer forma, minhas postagens e meus comentários também são reveladores...
Abraços!

Graça Pereira disse...

Maria Emilia
Que beleza de palavras! O que não fazemos para conquistar ou manter a felicidade? Munimo-nos de artefactos, as tais máscaras, não para enganar ninguem mas, para nos defendermos do sofrimento.
Penso que consciente ou inconscientemente, quase todos procedem assim.
Adorei esta postagem
Beijo
Graça

Eduardo Medeiros disse...

maria,seus poemas são sempre tão reflexivos e verdadeiros!

gostei também da ilustração.

beijos

Amapola disse...

Boa noite, querida amiga Maria Emília.

PARABÉNS PELO LANÇAMENTO DO SEU LIVRO.

DESEJO-LHE MUITO SUCESSO!!

Moro em Minas Gerais e por isso não irei comparecer.

Um grande abraço.
Tenha uma linda semana, cheia de paz e alegrias.

Gilson Faustino Maia disse...

Ah, Maria Emília, lendo o seu belo poema, fico imaginando quantos corações você estraçalhou por medo de se entregar! Parabéns, amiga (pelo poema).

Shirley disse...

Maria Emília, usamos sim, algumas vezes, máscaras e veus na busca incessante da felicidade...Beijos!