terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Quimeras...

                                                                                                                                         Gustav Klimt - O Beijo
Noite após noite
a elas me entreguei
na loucura de desejos inconfessáveis...
sedenta do que a mim não pertencia.
Foi assim que esse amor, de mão única,
dentro de mim viveu,
me retalhando em metades,
sem nunca se concretizar.
Com o tempo foi se esgarçando,
se tornou fino, transparente,
até que se cansou de esperar...
Agora, que nem lembranças restam,
não há como revivê-lo,
no prazer antigo de, em sonhos,
fazer amor contigo...

                              Maria Emilia Xavier
 
 
CANTINHO DA TROVA

                             Yellow Roses by Michael & Inessa Garmash
                                  Despedir a gente aprende.
                                  A vida nos dá muita aula.
                                  A gente só não entende
                                  essa dor que nos enjaula...
                                                  Maria Emilia Xavier
  
                                 Não foste a minha metade
                                 pois jamais me deste um “sim”,
                                 mas fizeste que a saudade
                                 fosse a metade de mim!
                                         José Maria M. de Araújo – RJ

                                  Bilhete é sempre um recado
                                  para ser dado escondido
                                  a um alguém apaixonado
                                  por outro alguém proibido!
                                                 Ademar Macedo – RN

                                   Em meus rascunhos guardados,
                                   não há mistérios... Porque
                                   nos versos que são lavrados
                                   o tema é sempre... você!
                                             Maria Lúcia Daloce – PR

                                    A estrada foi destruída,
                                    num desvio se tornou;
                                    a paixão não permitida
                                    nesse atalho enveredou.
                                                           Cida Vilhena – PB




11 comentários:

Andre Mansim disse...

Eita... Um apanhado de pequenos grandes poemas!
Você deveria postar mais Milaxxx! A gente fica com saudade!

✿ chica disse...

Ficou lindo teu post! beijos, ainda praianos,chica

Patrícia Pinna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ivana disse...

Olá Maria Emília
Lindo seu poema, embora um pouco triste, e as trovas são uma graça, adorei!
Bjs

Élys disse...

Uma linda poesia(triste) e belas trovas.
Beijos.

Leonel disse...

Bela coletânea de versos bem colocados!
Abraços, Milaxx!

Anne Lieri disse...

Emilia,doces as suas quimeras!Adorei e sempre fico encantada com as trovas por aqui!Bjs e meu carinho!

ॐ Shirley ॐ disse...

Lindo o seu poema, Maria Emília e lindas são as trovas. Beijos!

Toninhobira disse...

E se não fossem elas, como agora poderia estar a me deleitar com esta beleza de inspiração recheada com suas belas e perfeitas trovas,que inspiraram.Coisa de mestres.Parabens Emilia,sintonia perfeita.
Meu abraço de paz e luz.

pensandoemfamilia disse...

Gostei muito, seu poema é uma bela forma de lamento.
bjs

pensandoemfamilia disse...

Gostei muito, seu poema é uma bela forma de lamento.
bjs